Pular para o conteúdo principal

Papa Pio XII pede a Consagração ao Imaculado Coração de Maria em cada Família!

AUSPICIA QUAEDAM

DO SUMO PONTÍFICE
PAPA PIO XII



 1. Alguns indícios parecem hoje demonstrar claramente que toda a grande comunidade dos povos, após tantos excídios e devastações causados pela longa e terrível guerra, se orienta com ardor para os caminhos salutares da paz; e que no presente se ouve com melhor boa vontade os que se dedicam incansavelmente às obras de reconstrução, procuram acalmar e compor as discórdias e se propõem reconstruir tantas ruínas, do que aqueles que instigam contendas acerbas, ódios e rancores, dos quais não podem surgir senão novos e maiores danos. 

2. Entretanto, bem que nós mesmos e o povo cristão tenhamos não leves motivos de consolação e possamos confortar-nos com a esperança de tempos melhores, não faltam todavia fatos e acontecimentos que acarretam grande preocupação e angústia à nossa alma paternal. Com efeito, não obstante a guerra tenha terminado quase por toda parte, a suspirada paz ainda não serenou as almas e os corações; pelo contrário, vemos ainda o céu toldar-se de nuvens ameaçadoras. 

3. De nossa parte, não só não deixamos de nos esforçar, quanto nos seja possível, para afastar da família humana os perigos de outras calamidades que a ameaçam, mas, quando os meios humanos se revelam insuficientes, nos voltamos suplicantes a Deus, e exortamos ao mesmo tempo a todos os nossos filhos em Cristo, espalhados em todos os países da terra; a unirem-se a nós na impetração do auxílio divino.

4. Por esse motivo, como nos anos passados tivemos o conforto de dirigir nossa exortação a todos, e especialmente às crianças a nós tão queridas, afim de que durante o mês de maio cerrassem fileiras em torno do altar da grande Mãe de Deus, para implorar-lhe o término da funesta guerra, assim também hoje, por meio desta carta, convidamo-los ardentemente a não interromperem esse piedoso costume e a unirem às suas súplicas propósitos de renovação cristã e obras de salutar penitência. 

5. Antes de tudo apresentem à Virgem Mãe de Deus e nossa Mãe benigníssima os mais vivos agradecimentos por ter alcançado com sua poderosa intercessão o tão almejado término da grande conflagração mundial, e pelos outros muitos benefícios alcançados do Altíssimo. Mas ao mesmo tempo implorem, com orações repetidas, que finalmente resplandeça como um dom do céu a paz mútua, fraterna e plena, entre todos os povos, e a suspirada concórdia entre todas as classes sociais.

6. Cessem as discórdias, que não trazem vantagem a ninguém; de acordo com a justiça, componham-se as contendas, que são freqüentemente origem de novas desventuras; cresçam e consolidem-se entre as nações as relações públicas e privadas; goze a religião, alimentadora de todas as virtudes, da liberdade que lhe é devida; e o pacífico trabalho humano, sob os auspícios da justiça e o bafejo divino da caridade, produza, para o bem de todos, os frutos mais abundantes.

7. Bem sabeis, veneráveis irmãos, que nossas orações são gratas a santíssima Virgem sobretudo quando não são vozes passageiras e vazias, mas refletem almas ornadas das necessárias virtudes. Esforçai-vos; portanto, com vosso zelo apostólico por que, às orações públicas elevadas ao céu durante o mês de maio, corresponda um renascimento da vida cristã. De fato, somente daí é lícito esperar que o curso dos fatos e dos acontecimentos, na vida tanto pública quanto privada, possa ser dirigido conforme a reta ordem, e que aos homens seja dado conquistar, com o auxílio de Deus, não só a prosperidade deste mundo, mas também a felicidade sem fim do céu. 

8. Mas há no momento outro motivo particular que aflige e angustia vivamente nosso coração. É sabido que os lugares santos da Palestina já de há muito tempo são perturbados por acontecimentos lutuosos, e são quase todos os dias devastados por novos morticínios e ruínas. Entretanto, se há uma região no mundo que deve ser particularmente cara a toda alma civilizada, é de certo aquela donde nasceu para todos os povos, desde os mais remotos primórdios da história, tanta luz de verdade; na qual o Verbo de Deus encarnado mandou anunciar por coros de anjos a paz a todos os homens; e na qual, enfim, Jesus Cristo, suspenso ao madeiro da cruz, trouxe a salvação a todo o gênero humano, e estendendo os braços como que a convidar todos os povos a um amplexo fraterno, consagrou com a efusão de seu sangue o grande preceito da caridade. 

9. Desejamos, portanto, veneráveis irmãos, que neste ano as orações do mês de maio tenham de um modo particular o fim de impetrar da santíssima Virgem que finalmente as coisas da Palestina sejam compostas com eqüidade, e que também lá triunfem felizmente a concórdia e a paz.

10. Nutrimos grande confiança no poderosíssimo patrocínio de nossa Mãe celestial; patrocínio que durante o mês a ela consagrado, especialmente as criancinhas inocentes impetrarão com uma santa cruzada de orações. E será vossa tarefa exortá-las e estimulá-las para tanto com toda a solicitude; e não só elas, mas também seus pais e suas mães, que também nisso devem precedê-las com o exemplo. 

11. Sabendo que jamais apelamos em vão ao vosso zelo ardente, já nos parece ver multidões de crianças, de homens e de mulheres, encherem os templos para impetrar da virgem Mãe de Deus grande abundância de favores celestes.

12. Obtenha-nos a santíssima Virgem – que nos deu Jesus – que todos aqueles que se afastaram do caminho reto a ele voltem arrependidos; obtenha-nos nossa Mãe benigníssima – que em todos os perigos se mostrou sempre nosso valoroso auxílio e mediadora dos favores divinos – que também nas graves necessidades que hoje nos angustiam se componham os dissídios, e uma paz segura e livre resplandeça finalmente sobre a Igreja e sobre todas as nações. 

13. Há poucos anos, como todos recordam, quando ainda enfurecia a recente guerra mundial, nós, vendo que os meios humanos se mostravam insuficientes e desproporcionados para extinguir a conflagração, voltamos nossas fervorosas preces ao misericordiosíssimo Redentor, interpondo o poderoso patrocínio do coração imaculado de Maria. E como o nosso predecessor de imortal memória Leão XIII, nos albores do século XX, quis consagrar todo o gênero humano ao sacratíssimo coração de Jesus, também nós, como que representando a família humana por ele redimida, quisemos solenemente consagrá-la ao coração imaculado de Maria virgem. 

14. Desejamos que todos façam o mesmo, sempre que a oportunidade o aconselhar; e não só em cada diocese e cada paróquia, mas também em cada família. Assim esperamos que desta consagração particular e pública nasçam abundantes benefícios e favores celestiais. Seja presságio desses favores celestes e penhor de nossa benevolência paterna a bênção apostólica que damos com efusão de coração a cada um de vós, veneráveis irmãos, a todos aqueles que de boa mente corresponderem a esta nossa carta de exortação, e de um modo particular as caríssimas crianças.

Dado em Roma, junto de São Pedro, no primeiro dia de maio de 1948, X ano de nosso pontificado.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dogma da Imaculada Conceição - IMPORTANTE!

Bula "Ineffabilis Deus" - Dogma da Imaculada Conceição, Papa Pio IX  Posição e privilégios de Maria nos desígnios de Deus 1. Deus inefável, "cuja conduta toda é bondade e fidelidade", cuja vontade é onipotente, e cuja sabedoria "se estende com poder de um extremo ao outro (do mundo), e tudo governa com bondade", tendo previsto desde toda a eternidade a triste ruína de todo o gênero humano que derivaria do pecado de Adão, com desígnio oculto aos séculos, decretou realizar a obra primitiva da sua bondade com um mistério ainda mais profundo, mediante a Encarnação do Verbo. Porque, induzido ao pecado — contra o propósito da divina misericórdia — pela astúcia e pela malícia do demônio, o homem não devia mais perecer; antes, a queda da natureza do primeiro Adão devia ser reparada com melhor fortuna no segundo. 2. Assim Deus, desde o princ í pio e antes dos s é culos, escolheu e pr é -ordenou para seu Filho uma M ã e, na qual Ele se encarnaria, e d

O Rosário de Nossa Senhora

INGRUENTIUM MALORUM DO SUMO PONTÍFICE PAPA PIO XII SOBRE A RECITAÇÃO DO ROSÁRIO  INTRODUÇÃO 1. Nunca, desde que, por desígnio da divina Providência, fomos elevados à suprema cátedra de Pedro, à vista das ameaças do mal, deixamos de contar ao seguro patrocínio da Mãe de Deus a sorte da família humana, tendo publicado, como bem sabeis, por mais de uma vez, cartas de exortação a este propósito. É patente, veneráveis irmãos, com quanto empenho, entusiasmo e união de almas, o povo cristão tenha correspondido às nossas exortações por toda a parte. Assim o têm esplendidamente mostrado, repetidas vezes, os grandiosos espetáculos de fé e de amor para com a augusta Rainha do Céu, principalmente aquela manifestação de alegria universal que nos foi dado, por assim dizer, contemplar com os nossos olhos, quando, no ano passado, circundados de inúmera multidão, proclamamos solenemente, da Praça de São Pedro, a assunção da virgem Maria em corpo e alma ao Céu.

Adeste Fideles

https://linktr.ee/confraternidadedorosario   Adeste, Fideles Adeste fideles laeti triumphantes Venite, venite in Bethlehem Natum videte regem angelorum Venite, adoremus Venite, adoremus Venite, adoremus, Dominum! Deum de Deo, lumen de lumine Gestant puellae viscera Deum verum, genitum non factum Venite, adoremus Venite, adoremus Venite, adoremus, Dominum! (Cantet nunc io chorus angelorum Cantet nunc aula caelestium) Gloria in excelsis Deo! Venite, adoremus Venite, adoremus Venite, adoremus, Dominum! Venham, Fiéis Vinde,fiéis, alegres e triunfantes Vinde, vinde para Belém! Vede o nascido, rei dos anjos Vinde, adoremos Vinde, adoremos Vinde, adoremos o Senhor Deus de Deus, luz de luz Lhe gestam entranhas de menina Deus verdadeiro, gerado, não criado Vinde, adoremos Vinda, adoremos Vinde, adoremos o Senhor (Cante agora o refrão dos anjos E cantam a corte celestial) "Glória a Deus nas alturas!" Vinde, adoremos Vinda, adoremos Vinde, adoremos